A Festa da Escrita Criativa

FESTIVA2018

Festa da Escrita Criativa 2015.

 

Entre os dias 20 e 22 de outubro, desta vez com uma programação mais enxuta, a terceira edição do evento discutiu os percalços da primeira publicação, com toda sua saga de recusas e reescritas, e também os hibridismos, experimentalismos e limites de uma literatura para além da página impressa. Organizada por Natasha Centenaro, Davi Boaventura e Reginaldo Pujol Filho, a Festiva 2015 ainda teve Paulo Scott como escritor convidado. 

Dia 01: o que só um escritor pode (nos) contar - Paulo Scott

Entrevistado por Moema Vilela e Tiago Germano, o escritor Paulo Scott visitou a Festiva para debater o seu livro mais recente, O ano em que vivi de literatura. além de contar histórias sobre sua formação literária, participações políticas e a recepção e crítica de seus livros, em especial do renomado Habitante Irreal.

Dia 02: do sonho ao papel impresso

Dificuldades, recusas, revisões: a vencedora do prêmio SESC 2014 e do prêmio São Paulo de Literatura 2015, Débora Ferraz, e Julia Dantas, editora da Dublinense e indicada para o prêmio São Paulo em 2016, conversaram sobre os (tortuosos) caminhos para o primeiro livro, em mediação de Gabriel Bortulini. Para encerrar, leitura de Emir Ross: um texto que você pode conferir no primeiro número da revista Escriva.

Dia 03: só palavras?

Da escrita à performance, passando por hibridismos, texturas e experimentalimos: será que é mesmo possível definir um limite para o que é Literatura? Mediadas por Giulia Barão, a última mesa do evento teve Julie Fank e Nadja Voss falando sobre seus trabalhos cujo escopo ultrapassa a página impressa, fechando a noite com Iuli Gerbase em uma intervenção dramática-cinematográfica.